sexta-feira, junho 13, 2008

MIJE AQUI

Duchamp era um cara legal. Mas desde que colocou um mictório em um museu apareceu um monte de gente besta se metendo a artista. O movimento dadaísta era uma provocação, um sarro. Por aqui as pessoas transformam piada em coisa séria. Várzea é assim mesmo: entende tudo errado.

Outro dia li em um jornal que um coletivo (não, Juquinha, não se trata de um “ônibus” – esse é o nome descolado que se dá para um grupo de artistas) criou uma exposição com luzes. Um crítico explicou que as luzes coloridas “piscam num ritmo determinado”. Bacana: aqui no meu prédio tem um sinal luminoso na porta da garagem. Ele também “pisca num ritmo determinado”. Vou tascar uma plaquinha dando um nome besta, tipo “Luzes da alma” e pleitear uma vaga na próxima bienal!

E aí aparece a Fernanda Young, a escritora maleta que fazia o papel de “Cala a boca Magda” no programa Saia Justa do GNT. Ela lançou um espetáculo teatral chamado “Monólogo Dadaísta”. Se pretensão fosse radioativa, isso seria equivalente a uma nova Chernobyl. O que significa um monólogo dadaísta? Ela senta em um mictório no palco? É para mijar nela? Se for isso, já vou avisando: eu sou o primeiro da fila.

Fernanda Young se diz “intelectual”. Os artistas que amontoam pedaços de madeira na sala e chamam de “instalação” também se acham “iluminados”. Olha, para mim, o mictório do Duchamp era mais útil. Pelo menos dava pra pregar na parede e mijar nele. Artista, não. Artista grita quando a gente prega na parede. Uma pena...

Marcadores:

10 Comments:

Blogger Luiz Lailo said...

Quem não tem autenticidade vai para o hospício, quem tem, vai para a bienal
É interessante como se usam palavras velhas para obter a sensação do novo. Instalação é uma delas.
Há um prefeito de uma grande capital que gosta de chamar os próprios do município de "equipamentos". São apenas prédios, mas ele gosta de "equipamento". Não vou dizer seu nome, mas alguns o chamam de prefeito maluquinho.

sexta-feira, junho 13, 2008  
Blogger Ana Paula Siqueira said...

Até que enfim alguém para concordar comigo!!
E eu me achando a mais sem cultura do planeta!!
Outro dia vi uma "exposição" aqui em BH que nem te conto!!
Saí do Palácio das Artes me sentindo tão burra!!!!
Confesso que admiro a coragem de certas pessoas, viu?
Ah, obrigada por definir a idiota da Fernanda Young por mim!!
Intelectual onde?? Quem foi que disse isso para ela?? O cara deve ser bom, pois ela acreditou messsmo!! rsrss
beijo
nem preciso dizer de novo que adoroooooooo seu blog

sexta-feira, junho 13, 2008  
Blogger Ivo Neuman said...

Se pretensão fosse radioativa, o terceiro olho de muita gente não seria no cu.

Excelente, Waltinho!

sexta-feira, junho 13, 2008  
Anonymous Marcelo said...

Nó legal!!!
Sabe de uma coisa, acho que vou comprar um desses pra botar na minha sala. Nossa vai ficar um charme...

sexta-feira, junho 13, 2008  
Blogger Fábio Mayer said...

Esse tipo de intelectual é facilmente confundível com jogador de futebol ou dançarina de funk que apareca na Playboy.

O nível intelectual é idêntico!

sábado, junho 14, 2008  
Blogger Pablo Pamplona said...

O dadaísmo foi um movimento muito louco, e importante demais. Mas é pra poucos. As instalaçãoes que se vê hoje por aí são muito lógicas, muito óbvias... o cara apresenta uma merda qualquer e se coloca como *O* dadaísta.

É como no caso do Cinema Novo. Glauber falou "uma câmera na mão e uma idéia na cabeça", e a galera pirou e começou a fazer filme a rodo sem planejamento nenhum. Mas o que não se tem em mente é que Glauber era um puta gênio (ele sabia fazer filme de qualidade do jeito que ele propôs) e que, sabe, a história passa e os tempos mudam.

Eu admiro o trabalho de caras como esses, mas é sacanagem usá-los como "referência" pra criar uma porcaria qualquer, então se tratando de arte eu fico quietinho, na minha.

sábado, junho 14, 2008  
Anonymous Odeio politicamente correto said...

Fala, Walter, fala tudo que eu gostaria de falar para essa cambada de bestas metidos a superdescolados!!

quarta-feira, junho 18, 2008  
Anonymous Clovis said...

É isso aí. Assin embaixo do que o cara aí de cima disse.

quarta-feira, junho 18, 2008  
Blogger Leonardo said...

Você foi assistir o espetaculo que você falou mal pelo menos?
E dos trabalhos de instalação? Acredito que tenha realmente visto vários para ser tão geral assim.

Eu não falo mau do que não sei.
Concordo com você em algumas coisas, mas outras que você disse o faz de você um artista como qualquer outro.

sábado, novembro 06, 2010  
Blogger Walter Carrilho said...

Leonardo, infelizmente eu já vi muito disso tudo que eu citei: instalações, peças idiotas, etc.

Peguei a manha. Dá para falar mal sem ver. Eu detecto a ruindade só de ver a sinopse.

abs

domingo, novembro 07, 2010  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home