sexta-feira, setembro 28, 2007

O HOMEM QUE FALAVA DJAVANÊS

Djavan é o cara responsável por versos como “Açaí, guardiã, zum de besouro, um imã”, que geram dezenas de monografias em cursos de letras e algumas câimbras no meu duodeno. Pois ele está de disco novo: “Matizes”. E para homenagear esse “poeta”, escrevi este texto em Djavanês.

Cacatua, sol da manhã, um suco de maçã. Neste novo disco, Djavan, este filho do luar, revoada de pombos, araçá, Zimbabwe, inovou. Na canção “Imposto”, ele mostrou o seu lado indignado e engajado, parangolê, maracujá, nuvem no céu, em uma crítica à carga tributária:

“IPVA, IPTU / CPMF forever / É tanto imposto / Que eu já nem sei!. (...) Eles nem tchum”

O “nem tchum” é, obviamente, fruto de alguma influência parnasiana. Bumba meu boi, meu rei, meu oi. No próximo disco ele promete musicar uma medida provisória, ou fazer uma crítica à cotação do dólar. Seu olho, repolho, alegria de ser. Deputados, intelectuais e economistas não convencem o governo. Mas nada mais assustador do que um músico de MPB “revoltado”. Se eu fosse ministro, abolia o ICMS. Só de medo.

O mais legal em Djavan, esse iansã, calor, grão de areia no ar, é que ele anima qualquer imbecil a ser compositor. Vejam o meu caso: musiquei a minha lista de compras. Ficou assim:

Arroz, ovo e canela / Mate-leão/ tomate, berinjela/ sal e um monte de pão”.

Estou pensando em chamar essa música de “Carrefour”. Flor no orvalho, lamour, sabor de mel. Acho que vai bombar.

Marcadores:

32 Comments:

Blogger Daniel F. Silva said...

Socorro!!! Baixou o Carlinhos Brown no cara!!!!!

(Ué, é Djavan? Puxa, é que os dois são tão parecidos...)

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Ivo Neuman said...

Tio Walter, deixa eu publicar na íntegra?

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Serjão said...

Desculpe Walter

Mas eu não me acho inteligente o suficiente para comentar nada que se refere a Djavan; é muito elaborado para mim. Minha modesta cultura não chega a tanto;

Nessa eu passo.

abs

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Branco Leone said...

Meu, se essas partes em itálico são mesmo "versos" do cabra, danou-se de vez. Supositório de sabão nele!
Sobre seu texto em djavanês, não chegou lá. Desculpe, mas entendi tudinho.
Abrasso

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous Seu Jorge said...

hahahhahhahahhahahahahhahahhahahha, Carrefour, ótimo nome para canção, coração, um pedaço de pão, meu irmão!

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Stefano said...

Maravilha de composição, Walter! Que lirismo engajado!

(Para a estréia de sua turnê, sugiro o Canecão...o saudoso Elymar Santos fez isso e se deu bem!)

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Jorge Sobesta said...

Walter,

Perdeste a chance de usar o verbo Caetanear, hehe.

Grande abraço.

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous crítico cultural said...

A sensibilidade intrínseca verte sobejamente das refrências naturais e cotidianas, nos remete aos mais variados MATIZES possíveis, da tão peculiar e exótica atmosfera tropical. Djavan se fez um dos maiores poetas e musicistas da contemporaneidade traduzindo o sentimento de relaxamento desleixado em ares...
Vou parar por aqui mas em breve continuo minha minuciosa análise da obra deste soberbo músico/poeta.

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Pênio Moraes said...

Caro Senhor,

Como representante da imprensa marrom, golpista e contra-revolucionária o senhor jamais entenderia as mensagens subliminares contidas nas letras desse grande poeta, gênio bolivariano, supermeigo Djavan.
Saiba pois, que a cada nova composição desse deus da prosopopeia, estamos enviando mensagens de otimismo à militantes dos quatro cantos da terra.
Outros também nos ajudam cifrando palavras de ordem em suas obras como é o caso de Paulinho Pedra Azul.
Segue um trecho : "Bem te vi/voar por um jardim em flôr/chamando os bichos de amor/sua boca pingava mel"
Usamos isso para alertar certos militantes que estão chamando a atenção pela sua inversão sexual e caso não entre na linha, acabará sangrando com os dentes quebrados pelo tacão de nossa censura.
Simples e eficiênte, não acha?

Passar bem.

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous Anônimo said...

muito zumzumzum pra pouco zazuêra!

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous Patrícia Valiño said...

Walter, meu caro, você percebe que esse texto, essa pequena jóia literária (aimeudeus, sempre quis usar essa expressão!) que acaba de produzir o qualifica para membro da academia brasileira de letras, não? Vai lá reclamar o seu lugar! Acho que os acadêmicos ganham um trocado pra ficar lá o dia todo tomando chá e fazendo votação pra decidir como aprimorar aquela roupitcha escrota! Vida mansa, mané!!

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Doutroladodomar said...

hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah...Ganhei a sexta / besta/ cansada/mal amada, meu rei!!

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger R.C said...

kisacu

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger SM said...

Cara, só tenho uma coisa a dizer: você é o melhor!!!

Sou tua fã! (na boa... rs)

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous Rafael Porto said...

Putz, li este texto lá no Treta e ri muito!
hehehe
=D

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous Hannelore A. said...

"Carrefour" não, Walter. Isso é imperialismo cultural estrangeiro pós-moderno! Mas você está no caminho certo da MPB. Só falta inflar seu ego até Júpiter.

Abraços!

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Anonymous Giovani Mrozkowski said...

Sei que o assunto não é esse, mas não posso ver esse ser para imediatamente lembrar-me do nome Walter Carrilho. Taí: http://exclusivo.terra.com.br/interna/0,,OI1948340-EI1118,00.html . Céus... como diria o pessoal do Pânico: e o Kiko!!!

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Ivo Neuman said...

Porra, já li o texto sete vezes.

Ri em todas.

Estou precisando dar um upgrade na minha vida sexual.

sexta-feira, setembro 28, 2007  
Blogger Ricardo Rayol said...

caraca... fico imaginando o que escreveu no original antes de traduzir.

sábado, setembro 29, 2007  
Blogger mercedes poison said...

tuas críticas culturais estão cd vez melhores..gostei do djavanês no seu texto e acho q vc pode experimentar a msm técnica usando o estilo Arnaldo Antunes, outro baluarte da mpbosta.

bj

sábado, setembro 29, 2007  
Anonymous Anônimo said...

PQP ri pra caralho!!!! uhahuauhuha

sábado, setembro 29, 2007  
Blogger Giulia said...

Que lambada de serpente, hein?...rsrs

domingo, setembro 30, 2007  
Blogger johann.dakitsch said...

hahahahaha,essa foi boa Walter...mas precisa de um pouco mais de treino em djavanes,pq da par entender o seu texto...

domingo, setembro 30, 2007  
Blogger Didi Iashin said...

Boua, a música!!!

domingo, setembro 30, 2007  
Blogger David said...

Hehehehe....tá afiadinho tá?

domingo, setembro 30, 2007  
Blogger Tia Paula said...

O pior de tudo é que, entre meus colegas de trabalho (perdão, seu Sílvio!), pega mal não gostar do Djavan.

Professor é uma raça maldita, mesmo.

segunda-feira, outubro 01, 2007  
Anonymous Paparazzi said...

Só uma palavra: E S P E T A C U L A R !!!!!!!!!!!!!

segunda-feira, outubro 01, 2007  
Blogger ielpo said...

Hahahahahhahahahha.....

Ficou do cacete!

Disco de platina a ser entregue no Domingão do Faustão!

Abs

terça-feira, outubro 02, 2007  
Anonymous Anônimo said...

impagável, hilário, ...

terça-feira, outubro 02, 2007  
Blogger Ygor Brandão said...

Genial,Walter.
Absolutamente certo o que foi dito sobre Djavan.
Ele ainda criou o verbo "caetanear",né?
Djavan e Caetano são gêmeos siameses,só pode...
Valeu.

terça-feira, outubro 02, 2007  
Blogger Camilo said...

Sensacional, meu amigo!!!
Fazia um tempo que eu não passava por aqui - não por vontade própria, mas por causa do BigBrother daqui do trampo. Vi esse texto no TRETA e vim correndo.
Do Carrilho!!!

quinta-feira, outubro 04, 2007  
Blogger dadatida said...

hahahaahaahhahahahahahahhahaha

quinta-feira, novembro 22, 2007  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home