quinta-feira, fevereiro 10, 2011

VAMOS MANDAR POLÍTICOS PARA O ZOOLÓGICO

Políticos são de uma espécie animal diferente. Não agem como nós, plebeus. Não comem e nem se reproduzem como nós. Devem estar em extinção, pois são protegidos como mico-leões. Têm até uma reserva florestal só para eles: Brasília.
Com a posse do novo congresso, deu para conhecer melhor essa espécie. A Globo mostrou uma “tocante” matéria sobre os problemas dos congressistas sem apartamento funcional para morar. Era de se esperar que pessoas com um salário acima de 20 mil pilas fossem capazes de encontrar um mocó para morar. Tadinhos.

Sarney assumiu a presidência do Senado. Pela quarta vez. Em um ambiente normal, um cara com a ficha corrida que Sarney tem já estaria despejado. Em Brasília é diferente. Governo e oposição beijam a mão do cara. Ele é o Macho-Alfa da macacada. E ainda se diz um “exemplo de ética”. Parece piada, mas não é. É uma ofensa. É como um macaco jogando cocô na gente.

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, foi eleito com a promessa de garantir que a Câmara defenda os deputados que forem injustamente criticados pela Imprensa. Eles são os novos "Botos Cor-de-Rosa": precisam de proteção contra esses jornalistas insensíveis.

Não é necessário. Somos condescendentes com esses frágeis animaizinhos. Tem gente que votou em Romário, esse símbolo do trabalho duro. E o cara foi jogar futevôlei na praia, em plena quinta feira de plenária. Os eleitores mongos desse pulha deveriam pedir o voto de volta. Mas não vão. Aliás, nem devem se lembrar em quem votaram.

E temos os deputados “cacarecos”, que viram celebridades. O ex-boxeador Popó adorou tirar fotos na plenária: “É bom para divulgar as nossas propostas”. Duvido que ele saiba enumerar uma sequer. Uma deputada aconselhou Tiririca a “andar na coletividade”. Aposto que ele não sabe o que “coletividade” significa. Aliás, ninguém sabe – é apenas uma dessas platitudes que políticos adoram dizer.

Lindberg Farias, aquele que posou de “líder dos cara-pintadas”, foi logo papear com Collor. Sim, justo o cara que Lindberg acredita ter derrubado (não foi ele, mas deixa estar). Políticos são como animais selvagens: irracionais, fazem coisas que um ser humano decente não faria.

Acho que deveriam botar uma grade em volta do congresso. Nós poderíamos visitar o local e jogar uns amendoins. Seria melhor do que deixar esses caras soltos por aí.

Sim, o Iwapu (Índice Walter de Putice) está chegando novamente a níveis dignos de Chernobyl.

Marcadores:

5 Comments:

Anonymous Rattus said...

Caraca, disse tudo.

quinta-feira, fevereiro 10, 2011  
Anonymous Clóvis said...

O sarney é pior que a dengue. Pior que saúva: "Ou o Brasil acaba com o Sarney ou o Sarney acaba com o Brasil".

quinta-feira, fevereiro 10, 2011  
Anonymous LucianaRJ said...

Tio,
"Meu" Iwapu não está elevado com os velhos bandidos e os novos ladrões. Está elevado é com a população, mesmo. Eles foram eleitos diretamente, não entraram lá por si próprios, mas pelo voto direto. Portanto, se a pessoa vota vota num novo ladrão como o Romário, e ele é eleito, a culpa é de quem?

terça-feira, fevereiro 15, 2011  
Anonymous LucianaRJ said...

Ah, continuando.

O Sarney é uma espécie de maldição hereditária, um câncer em constante metástase. Mas ele também não foi parar lá sozinho, pois o povo com o pior IDH - entre outros índices - do país o idolatra!

terça-feira, fevereiro 15, 2011  
Blogger Patrícia said...

Realmente, pra mim a pior parte é a do LindBLEARGH. O cara provou e uma vez por todas que estudante no Brasil não vale mais pra porra nenhuma, pode vir ditadura e o caralho a quatro, que nego não sabe o que é mobilizar. E se os estudantes forem fãs de Restart, aí é que pode vir o caralho a quatro, a cinco, a dez, quer saber? Até a dois tá bom.

terça-feira, fevereiro 15, 2011  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home