sexta-feira, novembro 30, 2012

UMA AVENTURA ALÉM DA CORDILHEIRA


Os brasileiros são os novos japoneses. Estamos em todos os lugares, tirando fotos e fazendo barulho. E eu fui ao Chile, aumentar esse contingente. Nossos conterrâneos estão descobrindo o país. Coitado dos chilenos, que têm que aguentar essa multidão de gente mal vestida que pensa que sabe falar espanhol.

Brasileiro tentando falar com chileno é uma desgraça: acha que para falar espanhol basta botar “ito” no final das palavras e mais algumas vogais no meio: “Quiero um cafezito, puede ser?” A gente não entende que o esquema é outro.

Exemplo: em espanhol, peixe é “pescado” ( e não “pieixe”). E não é “pessscado”. O chileno (assim como o argentino, etc.) morde o “s” até virar quase ”f”: “pesfcado”.  Até aprender você acaba com câimbra na língua.

Tirando esse detalhe “linguístico”, qualquer brasileiro acaba curtindo o Chile. Todo lugar onde você não ouve funk carioca é legal (apesar de lá ter o reggaeton). O povo é bacana e tem muita coisa para ver. No centro de Santiago, a capital, por exemplo, você vê prédios históricos, em vez de 30 mil cortiços verticais, como no centro de São Paulo. Ao meio dia, ouve-se um tiro de canhão. É uma tradição local. No Brasil,  explosão só se for de caixa eletrônico. 

Todo brasileiro que vai ao Chile quer ir até Valparaíso cidade litorânea histórica. A gente vai para ver o Oceano Pacífico. Que, por sinal, é igual ao Atlântico. Muita água. Só que gelada. Muito gelada. Para você ter ideia, no porto de Valparaiso tem colônia de Lobos Marinhos. Botei o pé na água por 2 segundos e quase tive que amputar a perna. Frio pra caray.

Chile é um país com uma incrível diversidade geográfica. Tem gelo no sul e deserto no norte. E tem a Ilha de Páscoa. Em Vina Del Mar tem um Moai original, oriundo da ilha. E tem a cordilheira, ao lado da capital, Santiago. O país tem montanha a dar com o pau. Em Santiago tem ainda os “cerros”, morros enormes no meio da cidade, com uma vista bem legal. Se fosse no Brasil, já seria chamado de “montanha”. E estaria controlado pelo Comando Vermelho.

Além de ver paisagem, o brasileiro vai ao Chile para comer. Lá tem muito peixe, camarão e mariscos (nome usado para quase tudo que é bicho com concha).  E por um preço camarada. O problema são os garçons de alguns pontos turísticos, o garçom corre (mesmo) atrás de você, te convidando para o restaurante dele – mais ou menos como acontece na “passarela do álcool”, em Porto Seguro. E como brasileiro é besta, acaba tentando fazer “bonito”, puxando papo e pedindo pratos em espanhol. O resultado é que, com o portunhol, você pode acabar recebendo um trator ao molho pardo.

A única coisa não recomendável é o café. A água de Santiago tem sabor de ferro. O café expresso, salvo exceções, tem gosto de corrimão. Mas você pode ir a um Café com Piernas, uma sensacional invenção chilena: são cafeterias com atendentes vestidas em vestidos justíssimos e curtos. Você sai do trampo e vai relaxar, bebendo um café (ruim) enquanto  bisbilhota as coxas das garotas. Isso sim é desenvolvimento social.

E por falar em relaxar, é bom não se meter com a polícia chilena. Lá a coisa é séria. Quando fui visitar o palácio do governo, havia 3 manifestações programadas (sim, lá você avisa a data e o local, em vez da zona que rola no Brasil). Bastou surgir os manifestantes para surgirem vários carros blindados. Pelas marcas de tinta e pancadas nos carros, dá para ver que lá o bicho pega. Em poucos minutos estava todo mundo tossindo: soltaram uma espécie de gás pimenta para acalmar os ânimos.

Outra coisa  séria lá é o vinho. Vinho no Chile é barato. E bom.  Todo turista brasileiro visita uma vinícola chilena. Fui à Concha y Toro, maior vinícola do Chile. Comprei um pacote que incluía degustação com sommelier. Só tinha brasileiro no grupo. Nós não manjamos de vinho, mas eles manjam. A mulher falava do odor de “morango e madeira tostada”. E a turistada ficava cafungando a taça com ar de desespero, conversando baixinho: “Eu não senti morango, só uva, e você?” 

Para quem quer algo mais forte, pode-se tomar Pisco, uma espécie de cachaça feita de uvas. O nome é bem coerente: duas doses e você fica com o fiofó piscando. Ou então o Mote com Huesillos, bebida doce elaborada com calda de pêssegos e grãos de trigo. Não, não provei, pois eu amo muito a minha vida.

Espero voltar a visitar o Chile. Isso se a invasão dos bárbaros (brasileiros) não acabar com o país antes.

Agradecimentos especiais a Paul Evans (Chile), Paulo Weidebach  Silvia Belrus,  Eduardo Armelinni e Philipe Brito (Brasil) pelas dicas. Salud!

Marcadores:

11 Comments:

Blogger Tuna Fusion said...

ainda não conheço o Chile. seu post aumentou minha curiosidade sobre o país. muito bom.

sexta-feira, novembro 30, 2012  
Anonymous Anônimo said...

Vc já conhece a Argentina, né? E sabe qual é vantagem do Chile para a Argentina? NÃO TEM ARGENTINOS!!! rsrsrsr.

sexta-feira, novembro 30, 2012  
Anonymous Silvia said...

O Tio, que bom que vc voltou! E ai, foi nas montanhas?

sexta-feira, novembro 30, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

Silvia: não deu para ir às montanhas (não é época de muito gelo, não valia apena). Mas as montanhas vieram até mim. De Santiago vc vê a cordilheira. E no avião é de arrepiar: vc passa bem do lado! Quase dá para tocar no topo nevado!

sábado, dezembro 01, 2012  
Blogger Carlos Andino said...

Walter, vi que a situação na Grécia o pessoal tá pra vender as antiguidades dos museus pra continuarem vivos e os pacotes turísticos estão a cada dia mais baratos (é certo que os centros arqueológicos, como o Partenon, o centro antigo de Tebas, Esparta, Cnossos e Tera estão a maior parte do tempo fechados) mas do jeito que o pessoal tá desesperado é capaz de vc comprar uma legítima ânfora grega do séc. V por um preço de banana. O que me diz disso?

domingo, dezembro 02, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

Carlos: mais um pouco e você compra a Grécia inteira com a grana que tem na poupança. O lance tá feio.

domingo, dezembro 02, 2012  
Anonymous Silvia said...

Tio, da uma olhada aqui...isso tem sua cara, e vc podia fazer uma versao "con Los autenticos ojos de Latinoamerica"
http://alphadesigner.com/mapping-stereotypes/

domingo, dezembro 02, 2012  
Blogger pedro quera said...

o chile é bacana! ainda hei de conhecer a terra de meu pai, mas ai tio, essa 2º foto tá muito cisne negro, rs...

terça-feira, dezembro 11, 2012  
Anonymous Junior brandão said...

Walter Carrinho aproveitando a deixa que tal fazer um post sobre um dos artistas masi viscerais da america latina, o sergio mallandro?

terça-feira, dezembro 11, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

-Silvia: só vi agora os mapas. Sensacionais! Se eu tivesse tempo e habilidade, faria o "mundo na visão dos Brasileiros"
-Junior: Sérgio Mallandro merece um post há tempos. Ele anda meio desaparecido, né?

quarta-feira, dezembro 12, 2012  
Anonymous Silvia said...

Tio, nem precisava ser o mundo nao...imagina o que seriam os estados do Brasil na visao do Caetano!
Whoops...peguei pesado?

quinta-feira, dezembro 13, 2012  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home