domingo, junho 17, 2007

REFÉNS DE UM BANDO DE PANACAS

Manja aquela cidade pequena em que a traição do padeiro vira a grande notícia? Pois é, vivemos em vilarejo de quase 200 milhões de habitantes. Só isso explica tanta saliva gasta para um assunto tão escroto quanto o embate Caetano Veloso versus Luana Piovani.

A Folha de São Paulo, o jornal de maior circulação do país, havia dedicado algumas linhas para comentar o desmentido de Caê sobre o assunto . Caê não gostou. E escreveu para o jornal, que publicou na íntegra a cartinha nervosinha do cantor . * Resumindo: todo mundo se sente obrigado a dar voz ao sujeito que se amarra em leãozinhos. Sugestão: mandem o casal para um ringue de luta e deixem que se matem. Resolvam no tapa, meninas, e mantenham os jornais fora disso, que tal?

Em poucas palavras: estou cagando para o que Caetano pensa e para o que Luana acha. Sobre esse ou qualquer outro assunto. Sério, que mania mongolóide é essa de criar tanta caspa com fofocas de celebridades? De onde vem tanto medo desses panacas? O caso do Roberto Carlos, que proibiu a publicação da sua biografia, foi um exemplo ideal. Desde quando a privacidade da turma VIP virou assunto de justiça? Pior: teve muito jornalista dando razão ao “Rei”. Quer saber? Vão se catar.

Para explicar as coisas para essa turma, basta citar o livro “Mate-me por favor” , que conta a história do punk americano. Leitores que estudam jornalismo, leiam. Em centenas de depoimentos, alguns dos mais idolatrados músicos são reduzidos a pó de traque. Lou Reed, roqueiro dos mais respeitados, é descrito como um pederasta egocêntrico que, em determinado momento, pede para um sujeito literalmente “defecar em sua boca”. Perto disso, as revelações sobre o Robertão são fofocas de cabeleireiro.

E eu me divirto com esses chiliques, mas, que tal publicar NOTÍCIA DE VERDADE? Pode ser ou tá difícil?

*A dica foi da blogueira Ophélia. Obrigado, Ophélia. Ter fontes antenadas é tudo.

Marcadores:

12 Comments:

Blogger Leandro said...

Notícia é mercadoria, mercadoria é para ser vendida, o que é para ser vendido precisa de comprador e este é o grande público.
O grande público é imbecil; compra muita imbecilidade; esta precisa ser produzida em larga escala para atender à demanda e contiunuar gerando polpudos lucros aos fabricantes.

Ah, mas a imprensa é séria e imparcial e por isso é o "sustentáculo da democracia"?
Mmmm... com licença, vou ao banheiro soltar um barro e já volto.

domingo, junho 17, 2007  
Blogger Serjão said...

Sir Walter
O Pelé parou de jogar há muito tempo. Mas continua na mídia. Quer saber como? Simples. Ele fala uma besteira que crie polêmica e todo muido fala nele. Aí ele vende vitamina, cartão de crédito, Viagra. Com o Caê é a mesma coisa. Ele, admitamos, teve um papel importante quando ao cantar a tropicália ele botou no ralo aquela baboseira do banquinho e violão. (Se a substituição foi boa ou ruim é outro departamento). mas há muito tempo é um cara que vive mais de polêmicas do que de música. Quanto aos barracos dos roqueiros não ligo muito não, cara. O que me interessa é a obra. Se for boa pode até bater na mãe que eu não ligo.
Abração

domingo, junho 17, 2007  
Anonymous Patrícia Valiño said...

Então Walter, vc que é jornalista, explica aí: como é que um jornalista é capaz de: num dia, falar na TV a respeito da violência; dias depois ter sua casa assaltada e sua família ameaçada de morte; e, pouco tempo depois, voltar a fazer seu trabalho exatamente como antes, quero dizer, dando notícias que ele sabe que não vão dar em nada, como fofocas estúpidas e denuncismo sem sentido?
Como é que esse jornalista não fica indignado e não usa seu telejornal para fazer um trabalho melhor de cobrança de atitude das autoridades? Esse jornalista, no caso do meu exemplo, é o Willian Bonner: editor do jornal de maior audiência do país, teve sua casa assaltada como falei, mas continua agindo como se só o empreguinho dele e da esposa importasem! Porra, de que valeu ele ser âncora da Globo naquela noite? Mas o trabalho dele não mudou em nada depois daquilo, continuou fazendo as mesmas matériazinhas de sempre: choca todo mundo mas não cobra nada de ninguém. Porque não usar o programa pra colocar os políticos na saia justa? Não estou falando desses denuncismos baratos de CPI que no final ninguém acompanha mais nada. Estou falando de, por exemplo, ir apurar qual a verba destinada à segurança pública e como e onde cada centavo foi gasto. Estou falando de pedir as contas. Eles nunca pedem! E ainda vivem repetindo: "o brasileiro trabalha 4 meses por ano pra pagar impostos"! O que há, eles não pagam impostos também?

domingo, junho 17, 2007  
Blogger Jorge Sobesta said...

Walter,

Depois dessa, Caetano acabou para mim. Era um deus agora não passa de um banana de pijama, hehe.

O triste disso é que ainda guardo algumas músicas dele da época em que fisicamente ele parecia uma moça mas cantava como homem, como é o caso de Triste Bahia e It´s a long way.

Grande abraço.

domingo, junho 17, 2007  
Blogger Ricardo Rayol said...

Bizarro, muito bizarro.

domingo, junho 17, 2007  
Blogger Ollie McGee said...

Nossa, eu nem dou bola para esse povo. Comentei o caso na época, pq a Luana estava chata demais, depois teve essa declaração do Caetano e agora esses chiliques. Ah, francamente? Quero que sumam... Eu não me importo.

segunda-feira, junho 18, 2007  
Anonymous Blogue da Magui said...

Eu até fiz um texto sobre o livro de RC.Permita-me discordar, o livro é a história da música nacional e isso importa sim.Mesmo porque pode ser até parte da vida de muita gente.Qt à briguinha Caetano e Luana faz parte do mundo do entretenimento.A mim não interessa nada e nem conheço a música porque não gosto de nada ou quase nada dele mas a vida precisa de futilidades e se a alguém interessa que façam bom proveito.

segunda-feira, junho 18, 2007  
Blogger Walter Carrilho said...

Magui: eu também acho que o livro do Robertão importa. O problema é que ele não deixa que o livro seja vendido e ESSE é o problema. O livro não traz nenhuma revelação chocante (que o "Rei" tem problemas na perna? Quem não sabe?). Por isso, devia ser publicado, ao invés de virar questão jurídica.

segunda-feira, junho 18, 2007  
Blogger Fábio Max Marschner Mayer said...

EU dou razão ao "rei", embora eu seja advogado e não vá entrar mais nessa discussão... mas o fato é que vc tem razão:

POR QUE TANTO OBA-OBA EM TORNO DOS PEIDOS E DOS HUMORES DAS CELEBRIDADES?????

segunda-feira, junho 18, 2007  
Blogger David said...

(notinha de rodapé: por falar em RC, vá até a Saraiva MegaStore em Campinas. Se você quer ler essa porcaria, tem uma pilha lá para venda).

segunda-feira, junho 18, 2007  
Blogger Again and Again said...

Boss,

quando eu vejo alguma coisa relacionada com essa "vip people", sempre lembro de vc. Portanto, pode contar comigo, principalmente se for a "diva tropicalista" ou o escárnio do semitismo demodé: nosso Gerald...

bjs

Ophélia

segunda-feira, junho 18, 2007  
Blogger André Pudiesi said...

Eu li 'Please kill me'!

Aliás, quem não leu? Ah, e foi antes, muito antes de aparecer nas mãos do Supla na casa dos artistas...

Walter, aquele desafio dos críticos de verdade ainda existe?

Muito bom aquilo!

Falar do C* (Caetano) me lembra desses baba-ovos de plantão

terça-feira, junho 19, 2007  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home