sexta-feira, maio 11, 2012

A PIOR CANTORA DE PROTESTO DO MUNDO

Fazer música ruim não é pecado. Se um artista é medíocre mas não faz cara de conteúdo (para fingir que sua “obra” tem algo a mais a oferecer do que um par de acordes grudentos), tudo bem. Mas no Brasil é meio diferente. Até mesmo as cantoras escandalosamente ruins insistem em ser algo mais do que cantoras ruins.

Não posso falar mal de Preta Gil que logo aparece alguém que a elogia por “ser autêntica”. Gretchen e Mallu Magalhães também são defendidas por muita gente que descobre nelas um “conteúdo” que eu não vejo – assim como qualquer um com lucidez, diga-se. E agora temos a Valesca Popozuda.

Você já deve ter visto a música “Mama”, não é? Em parceria com Mr. Catra (um conhecido ativista das causas sociais), Valesca fez essa pequena obra que é, tipo assim, um manifesto antropofágico que inclui uma vemente defesa das liberdades individuais em uma era de hipocrisia globalizante. Ou algo assim. Se você não viu, dê um bico.


Eu já tinha ouvido a música. Mas, desculpem, só agora pude ler a reveladora entrevista que a “cantora” deu por aí (nem imaginava que alguém se daria o trabalho de entrevistá-la). Leiam, por favor. Na entrevista, Valesca insiste em dizer que a música traz “uma crítica social”. Coisa louca, não?

Entre outras coisas, ela disse que fez a música, cantada em ritmo de pagode melequento, por “odiar a postura dos grupos de pagode que vêm alienando milhões de brasileiros” – Sim, pagode aliena. Edificante mesmo só o funk, não é, meus queridos?

A ideia teria vindo da namorada de um tal de “Mag” (descrito como “artista”), que teria  algumas “revoltas em relação à sociedade hipócrita e suas marionetes” (hein?). Ela afirma que a música “alfineta a sociedade”. A-ham.

Olha, Valesca, vai me desculpar, mas essa eu não saquei. Tentei ver onde estaria essa “alfinetada”. Talvez neste trecho aí embaixo:
Então mama
Pega no meu grelo e mama
Me chama de piranha na cama
Minha xoxota quer gozar, quero dar, quero te dar

Ou, quem sabe, a crítica estaria neste outro trecho? 

Eu sei que você já é casado, mas me diz o que fazer.
Porque quando a piroca tem dono é que vem a vontade de foder!

Pode crer, Bob Dylan vai vir ao Brasil para aprender a fazer música de protesto com Valesca. Que, por sinal, diz sonhar em fazer parceria com Roberto Carlos. Queria ver o “Rei” cantar uma música sobre pirocas. Seria divertido.

Valesca, que tal agora uma música sobre corrupção, fome e a repressão na Síria? Mas, na boa, na próxima vez seja mais explícita no seu protesto, ok? O manifesto contra a hipocrisia e a sociedade alienada não ficou claro nesta música.

Quer uma dica? Diminua a tintura no cabelo. Sei lá, deve estar atrapalhando.

Marcadores:

14 Comments:

Blogger pedro quera said...

porra tio! me faça crer que esse pais tem jeito!

sexta-feira, maio 11, 2012  
Blogger Luciana said...

Engraçado que qualquer lixo pode ser considerado protesto contra-a-sociedade-hipócrita. Argumento chinfrin para escamotear a qualidade rasteira dessas...."obras".

No caso da Valescuda, infelizmente não dá, de jeito nenhum, para sequer contra argumentar. Acho que não vale a pena perder preciosos minutos da vida falando com gente assim, mas mesmo assim há quem dê espaço para esse tipo de...."artista". No final, ela - e tantas outras - alcançam seu propósito, que é repetir seus nomes, presenças e fotos em todos os lugares. O que eu não entendo, repito, é o motivo que leva alguém a dar espaço para esse tipo de gente.

Em tempo: tenho medo do MC Catra. Muito medo!

sexta-feira, maio 11, 2012  
Blogger André Luiz said...

Eu gosto dessa época do Funk:
http://www.youtube.com/watch?v=qKkQjwji8LM

OBS: Rap da Felicidade - Cidinho e Doca

sexta-feira, maio 11, 2012  
Blogger André Luiz said...

Essa foi a melhor época do Funk Carioca! Goste ou não, aceite, é um "puta" protesto, crítica social...
http://www.youtube.com/watch?v=aQPLEk_ynHI

sexta-feira, maio 11, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

André: pois é, mas nessa época havia crítica e protesto mesmo. Isso eu acho válido, legal. Agora a Valesca, sinceramente...Não dá para engolir!

sexta-feira, maio 11, 2012  
Blogger Carlos Andino said...

Tio Walter, não acredito que fui forçado a ver esse clipe e ouvir essa "música". Nunca pensei tanto que um frasco de cianureto pudesse me fazer bem a esta hora! Mas eu não sei se ingiro esse cianureto ou coloco na bebida do MC Catra e dessa aí! Bem que me falaram tanto: Funk carioca é filme pornô narrado pra cego!

sexta-feira, maio 11, 2012  
Anonymous Anônimo said...

Walter: coloca o selo de picareta no próximo post sobre a "Valeiska" .

Beijos,
Débis Débis

sexta-feira, maio 11, 2012  
Blogger kelli said...

Essa música passa longe de ruindade. Ela é chula mesmo! Falar que é de protesto é obra de assessoria de imprensa que viu o filme da "celeb" foi queimado de forma inacreditável.
Nojo é uma palavra forte pra se referir a alguém, mas é isso que sinto por esses 2, e não consigo entender como as pessoas dão espaço a essa anencéfala que mal sabe falar e a esse escroto machista.
E eu nem tô de mal humor hoje, mas é que tem coisas que revoltam. Imagina criança ouvindo isso (por que com certeza algumas vão ouvir)?
E o pior é que foi provado que o mundo não acaba esse ano, pra dar uma limpada na coisa toda.

sábado, maio 12, 2012  
Anonymous M said...

Trilha sonora que serve de combustível para fabricar futuros marginais.

sábado, maio 12, 2012  
Blogger MiGuEl RuDe said...

o velhas virgens porque sao homens podem falar de putaria
mulher gostosa nao pode
quem ai que comentou nao queria comer a valesca?
nao sou funkeiro, sou formado, e acho q vcs devem rever esses conceitos MACHISTAS de que mulher deve ficar ou no fogão ou sendo a ultra super mega heroina perfeita..
putaria faz mais a prefeita da minha cidade sem dizer uma palavrao...

domingo, maio 13, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

Miguel: o fato dela ser mulher não me incomoda nem um pouco. Ela pode falar putaria à vontade, Mas daí a dizer que é música de protesto tem um canyon de diferença.

domingo, maio 13, 2012  
Blogger Luciana said...

É... o Miguel, apesar de formado... parece que não entendeu...o... "conceito"....

segunda-feira, maio 14, 2012  
Anonymous Silvia said...

Credo, Tio Walter. Voce capricha, nao? Das coisas medonhas que vc garimpa na Net, essa ta muito proxima do primeiro lugar com honras na categoria "Catastrofe".
Que que vc acha de lancar um concurso no seu blog pra escolher uma musica de protesto contra as "musicas de protesto" desse tipo?
Alias, musica de protesto ta mesmo em baixa, ninguem liga mais!

quinta-feira, maio 17, 2012  
Anonymous Lucho said...

Dizer o quê? É uma crítica social e política de fazer inveja ao RATM. Como o André disse, uma puta crítica.

Resta a alienados como eu apreciar essa crítica em forma de poesia.

E ao Miguel está faltando um pouco de aulas de interpretação de texto.

quinta-feira, maio 17, 2012  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home