quarta-feira, março 09, 2011

EM COMA DEPOIS DO CARNAVAL

Quarta feira de cinzas. Estou em coma.

Não foi a cerveja. Nem os batuques. Fiquei em coma depois de ouvir a música “Meia Luia inteira”. A letra é de Carlinhos Brown, mas já foi cantada por Caetano, Chiclete com Banana e Ivete Sangalo (os intérpretes dizem muito sobre a “qualidade” da letra). Leiam:

Meia Lua inteira sopapo na cara do fraco
Estrangeiro gozador
Cocar de coqueiro baixo quando engano se enganou
São dim, dom, dão são bento, grande homen de movimento
Martelo do tribunal sumiu na mata adentro
Foi pego sem documento no terreiro regional

Capoeira ra ra ra, Capoeira ra ra ra
Terça-Feira, capoeira ra ra ra, tô no pé de onde dera rara ra
Verdadeiro ra ra ra, Derradeiro rara ra
Não me impede de cantar ra ra ra ra,tô no pé de onde dera ra rara

Bima berimba a mim que diga taco de arame, cabeça, barriga
São dim, dom, dão são Bento, grande homen de movimento
Nunca foi um marginal sumiu na praça a tempo
Caminhando contra o vento sobre a prata capital

Não sei o que mais me afetou, se foi o “São dim, dom, dão são bento” ou o “Bima berimba a mim que diga taco de arame”. Por favor, quem tiver alguma idéia do que isso tudo significa, deixe um comentário, pois estou em estado de choque.

Obrigado.

PS: Essa letra merece o prêmio “Açaí, guardiã, zum de besouro, um imã” de poesia djvanesca de 2010.

Marcadores:

26 Comments:

Anonymous Vinicius said...

Concordo que no carnaval existem milhões de músicas ruins interpretes piores ainda. Só acho que teus comentários são muito exagerados e generalizados. Sou do sul, se te colocar a ouvir uma música gaúcha tu vais chacotear, mas isso por que és ignorante (no sentido de não saber sobre e não no sentido conotativo que as pessoas dão) e não sabe da bagagem cultural que a música tem. Penso que quando fizeres algum comentário, use de argumentos sólidos e não só achometros, afinal de contas para dar a entender que Ivete Sangalo não é uma boa cantora, você deve ter feito uma profunda análise da técnica e potência vocal da cantora, não é?!

quarta-feira, março 09, 2011  
Blogger Walter Carrilho said...

Vinicius, meu caro: não acho a Ivete uma má cantora (onde vc viu isso no texto?), mas péssima na hora de escolher repertório.

De resto, concordo: sou exagerado mesmo. Como jornalista boçal, tenho uma reputação a zelar.

abs

quarta-feira, março 09, 2011  
Anonymous Rafael said...

Eu fico em coma durante e após o carnaval...
Aonde mais no mundo o povo esquece de todo o resto durante 3 dias? ou sera o ano todo?
Posso ser sadico e babaca, mais adoro ver todo mundo feliz no carnaval e no outro dia xorando na fila do hospital.
O Brasil é o melhor país do mundo, e os brasileiros tem que se orgulhar de ser um povo alegre e festeiro e trabalhador (sim, eu tenho orgulho de ser brasileiro), mas custa festejar e depois estudar?

quarta-feira, março 09, 2011  
Blogger Maria Clara said...

Não sabe o que é isso? Isso é um trava-língua. E acho a Ivete uma péssima cantora, sim!
Abs.

quarta-feira, março 09, 2011  
Anonymous Anônimo said...

vinicius o cara não precisa ser um gênieo pra dizer que “Bima berimba a mim que diga taco de arame” e uma porcaria e se ivete sangalo canta bem ou não isso não importa pq a criatividade dela bate de igual pra igual com o de uma ameba
OBS: cara vcs não cansam de falar sempre "tu", "ba", "che"...

quinta-feira, março 10, 2011  
Anonymous eu said...

agora esse povo que gosta de carnaval vai entrar em estado hibernação e só vai acordar em feverero do ano que vem (ou em março quem sabe...).

quinta-feira, março 10, 2011  
Anonymous Anônimo said...

Walter, dá status dizer que gosta dessas porcarias, 99% dos fãs dessa turma são assim.

quinta-feira, março 10, 2011  
Anonymous Jair said...

Sinto muito Walter, tentei interpretar a letra da músicas, mas é impossível. E eu aqui humildemente pensando que o maior mistério da humanidade é saber se há vida após a morte. Mas vejo que estava errado, a partir de hoje irei me dedicar até meu último suspiro para entender o significado dessa letra "extrogonoficamente rentombante" como diria o rei do elogio.

quinta-feira, março 10, 2011  
Anonymous JC said...

Em paises serios, por muito menos, isso dava pena de morte. Meu filho de 3 anos faz "musica" melhor.

quinta-feira, março 10, 2011  
Blogger andlusferr said...

Chamei Robert Langdon pra interpretar a Morfologia fonética dicotômica comparada da música baiana, e o cara surtou ao som da Liga da Justiça...
Abrçs.

quinta-feira, março 10, 2011  
Blogger reinaldo said...

Essas bandinhas de carnaval sao como um câncer.. se espalham numa velocidade alarmante..
o cara deve ter fumado crack com merda para escrever uma musica dessa.

sábado, março 12, 2011  
Anonymous Vinicius said...

Quando ao amigo anônimo que me questionou se não cansamos de dizer "tu", "ba" e "tche", respondo - NÃO. É natural, temos nossa cultura, nosso jeito de falar, dança, música, poesia, e nos honramos muito disso. Temos o nosso diferencial, não somos "mais um".
E aposto que muito desses "críticos" que estão aqui postando, sabem e dançam muito dessas músicas. Porém é muito mais fácil vir aqui, se esconder entre anônimos e fakes, cantar de galo e passar a linha Cult pro povo.
Santa mesquinhosidade....

sábado, março 12, 2011  
Anonymous Anônimo said...

Ânimo!!!
Seria bem melhor se a terra fosse quadrada e não girasse.
Mas ela é di circunferença ingual ao célebro que tá drento da caxa craniana e fás questão de girar intorno da lua.
A culpa é dela e das elite preconceitosa.

sábado, março 12, 2011  
Anonymous Anônimo said...

eu so perguntei se vcs não cansa pq e ate dificil falar com vcs desse jeito.

domingo, março 13, 2011  
Anonymous Vinicius said...

Claro parceiro, só respondi...
Como te disse, é um costume, para nós não tem nada de estranho, falamos assim desde que o mundo é mundo!
abraço

domingo, março 13, 2011  
Anonymous Anônimo said...

boçal= adj. e s.m (Indivíduo)inculto, rude, estúpido. Ia reclamar do texto, mas o nome do blog já deixa tudo muito claro.

domingo, março 13, 2011  
Anonymous Anônimo said...

Uma lição de bom senso: se alguem escreve algo e você não entende, quem é o burro?
a)você
b)o escritor
c)o boçal que posta isso em um blog tirando sarro.

domingo, março 13, 2011  
Anonymous Anônimo said...

Aposto que você nem pesquisou sobre o significado desse vocabulario de capoeirista antes de postar esse texto no seu blog. Simplesmente boçal

domingo, março 13, 2011  
Blogger Walter Carrilho said...

Anônimo: você quer que eu perca tempo pesquisando termos das letras do Carlinhos Brown??? Sinto, se eu não tenho tempo (nem estômago) para ouvir as bostas que ele compôs, pra que vou tentar decrifrar as bobagens que ele escreve?
abs

Ps: mas tempo para ler as bostas que alguns idiotas escrevem no meu blog eu tenho!

domingo, março 13, 2011  
Blogger Jony said...

Eu também acho Mister Brown muito afetado e pernóstico mas se Bima também for uma maneira de se referir ao Mestre Bimba pode até fazer algum sentido, já que fala em biriba (madeira com que se faz o berimbau) e taco de arame.

segunda-feira, março 14, 2011  
Blogger Carlos Andino said...

Pra quem tem menos de 25 anos isso não vai fazer o menor sentido mas lá vai, essa mesma "música" fez parte da trilha sonora da novela Tieta na voz de Luiz Caldas (época em que axé poderia ser ouvido sem ofender ninguém). Mas convenhamos, se algum gringo ler essa letra musical e ele for fluente em língua portuguesa vai praguejar muito contra o professor de língua pq simplesmente se nem os nativos entendem imagine os gringos!

terça-feira, abril 12, 2011  
Anonymous Anônimo said...

Quem é vc blogueiro, diante da geniosidade de Carlinhos Brown, Caetano, não digo Ivete pq realmente ela não eh boa compositora, aliás, quem é vc????????????????? Vcs preferem ouvir hard rock e outras coisas do tipo mesmo sem entender inglês ou até mesmo sem entender nem o que o cara tá cantando pq só sai zuada desse tipo de música.

quarta-feira, fevereiro 22, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

Anônimo: desculpe, mas depois de ler "geniosidade (sic) de Carlinhos Brown" fiquei sem forças para respondero comentário. Sério.

quarta-feira, fevereiro 22, 2012  
Blogger Luca Cortes said...

É interessante perceber que a mesma internet que ajuda a disseminar o conhecimento, pode as vezes proliferar tantas asneiras. Vejamos o exemplo de um "pseudo intelectual" que assina o texto acima.
O cidadão analisa uma belíssima canção a partir do seu ponto de vista reduzido e sem conhecer um mínimo que seja da lógica musical. como desconfio que o indivíduo não tenha tanto conhecimento e também não deve ter uma aptidão para uma pesquisa fiz algumas para que esta pessoa se situe no tempo e no espaço.
Em tempo gostaria de falar novamente da genialidade de Carlinhos Brown, mas querer que alguém, que se percebe tão mesquinho, compreenda isso, é querer d+. Sendo assim encerro minhas palavras e aí vai uma melhor análise da música:
SOBRE A LETRA:Meia lua inteira é um golpe de capoeira, que, na música foi dado na cara do fraco, um estrangeiro gozador.

"São dim don don" é onomatopéia para o toque de berimbau chamado São Bento, que é citado logo depois.

"Martelo do tribunal..."- martelo tb é um golpe da capoeira e ele une aí com o julgamento de tribunal e logo depois com a fuga e a falta de documento da pessoa. OU seja, o capoeira antes sempre foi perseguido e tido como malandro, julgado como bandido, pela prática da capoeira, "coisa de negro"

Os últimos versos remeta a isso: "Nunca foi um marginal".

O Bimba, foi o grande mestre baiano que criou a capoeira regional, quando só existia a capoeira angola, a capoeira mãe.

Berimba, cabaça,... são os leementoa q compõem o berimbau como já postaram.

Então finaliza com o capoeira fungindo a tempo e andando sobre a sociedade q o discrimina como marginal.

Então acho q a música tem sentido sim. E fala de uma situação histórica do capoeira.

SOBRE A MÚSICALIDADE:
Ouvir uma canção desse tipo, torcer o nariz e dizer “Mas que porcaria de letra” acaba por identificar um processo (como perceber que um soneto é composto por dois quartetos e dois tercetos), mas o juízo de valor negativo acaba interrompendo o possível potencial crítico do achado (“Mas que droga, um soneto com dois quartetos e dois tercetos!”), cobrando do objeto justamente aquilo que ele não poderia ser, com o risco, aí sim, de tornar-se mal realizado. No caso, ocorre uma abertura no plano do significado (“riqueza” polissêmica do signo), diretamente determinada pela relação que se estabelece com o fechamento melódico em pequenos temas. Desse modo é que as duas “pobrezas” parciais convertem-se em um ganho em termos mais gerais.

Sem mas, por enquanto.

sábado, outubro 20, 2012  
Blogger Walter Carrilho said...

Lucas: é sério que vc perdeu todo esse tempo para escrever isso?

Continuo dizendo: músicos que escrevem obras que precisam de "bulas" são um saco. Se um ouvinte precisa ler toda essa análise para entender o que o pernóstico do Carlinhos escreveu, cada disco deveria vir com um manual de 70 páginas.

Sinceramente, continuo achando uma joça.
Sem mais por enquanto.

domingo, outubro 21, 2012  
Anonymous Anônimo said...

Muito bom! E isso mesmo. A genialidade está aí. Se poucos entendem, é porque não tem a capacidade reflexiva para tal ação.

sexta-feira, outubro 21, 2016  

Postar um comentário

Link permanente para este post:

Criar um link

<< Home